Comecei escrevendo esse texto como a feliz proprietária de uma curta, porém significativa, viagem para Assis, na Itália. Texto esse que começava assim:

“Há 3 anos eu estava de férias na Itália, aproveitando uma viagem entre a Turquia e o Brasil, e Assis estava nos meus planos. Deixei para o final, pela logística das viagens de trem e porque achei que seria o gran finale perfeito, uma cidade especial fechando uma viagem especial. Até que um problema de saúde na família no Brasil fez com que eu alterasse os planos e antecipasse a minha volta. Assis, pequena no tamanho, mas berço de uma das almas mais nobres que o planeta já conheceu, ficou para depois. Agora, novamente aproveitando uma viagem para o Brasil, reservei 4 dias para enfim conhecer a cidade, e num momento delicado, seria o timing perfeito. Não me considero uma pessoa religiosa, mas a história de São Francisco de Assis sempre me tocou, e poder estar lá agora eu considero uma benção. ”

Cancelamento de viagem Assis
Assis e a basílica de São Francisco, a foto que eu ainda não tirei.

Mas, temos o privilégio apenas de fazer planos, se eles irão ocorrer ou não, fica a cargo da mãe natureza. Faltando 5 dias antes da minha viagem, um terremoto na região central da Itália, bem pertinho de Assis. Felizmente sem vítimas! A Polyana que habita, resolveu manter a viagem porque, afinal, um raio não cai duas vezes no mesmo lugar. Cai sim! 2 dias antes, um novo terremoto atingiu a região com o epicentro em Norcia, cidade que fica a apenas 60 quilômetros de Assis. Manter ou não manter, eis a questão. Polyana aqui ainda estava determinada a ir, até receber um email do hotel cancelando a reserva devido a danos estruturais. Além disso, existia a possibilidade de mais terremotos e abalos secundários.

Prudência e canja de galinha não faz mal a ninguém, já diria o dito popular.

Manter ou não uma viagem numa situação dessas é uma decisão muito pessoal, depende da extensão dos danos, do nível de perigo, do seu roteiro e flexibilidade e principalmente, do quão disposto você está a abrir mão das suas tão sonhadas férias. Não existe uma regra a seguir, cada caso é um caso.

No meu caso em particular, eu adoto a filosofia popular do nosso poeta Zeca Pagodinho: “Deixa a vida me levar…”

Queria muito ir para Assis mas, na balança, o medo de estar em risco ou ter um problema na região eram maior que a vontade. Minha escolha pessoal. Pesou na minha decisão também o fato de ter uma passagem aérea em direção ao Brasil iniciando em Roma, sem nenhuma conexão com o meu trecho saindo da Turquia. Nesse caso, qualquer problema na Itália, eu colocaria a minha viagem toda em risco.

E, mais uma vez, Assis não vai sair do lugar, certo? Felizmente a cidade não sofreu danos significativos, mas visitar em um outro momento foi a escolha que funcionou para mim.

E os aspectos práticos dos cancelamentos?

Cancelar reservas costumam ser uma dor de cabeça, com um prejuízo financeiro associado. Mas algumas medidas podem ajudar a minimizar os problemas.

Reservas flexíveis

Eu nunca reservo hotéis que não permitam cancelamento, salvo situações muito especiais, preferencialmente sem datas limites. É difícil encontrar essa flexibilidade, principalmente usando agregadores como o Booking.com. Nesse caso, eu procuro hotéis que permitam cancelar, sem custo, até as vésperas da viagem.

No caso de Assis, eu tinha reservas em dois hotéis diferentes, o primeiro cancelou devido aos danos e o segundo hotel eu contatei diretamente, questionando sobre a situação no local e como proceder. O hotel respondeu estar operando, mas que preferiam cancelar para fazer uma avaliação nas instalações, e eliminando possíveis custos de cancelamento.

Passagens aéreas costumam ser o maior rombo no orçamento, e consequentemente o maior prejuízo quando tudo dá errado. Eu adoro uma promoção, mas prefiro ser prudente quando a questão são passagens mais caras, e prefiro as flexíveis.

Nessa viagem em questão, que eu tinha 2 reservas diferentes, o trecho Istambul – Roma era barato e flexível, e cancelei sem problemas, já o trecho para o Brasil foi um drama (obrigada, Ibéria!). No fim, foi mais vantajoso economicamente cancelar a passagem toda e comprar outra. E como o padroeiro dos viajantes não dorme, depois de todo o drama fui recompensada com um upgrade para a business class, mas isso é papo para outra história.

Seguro viagem

O melhor amigo de todos que viajam, essencial e fundamental. Ele protege cancelamentos de viagem? Sim. Mas é preciso prestar atenção as regras e estar por dentro de todos os detalhes do programa que você escolheu. Comum a todos, para que o seguro possa te ajudar em caso de cancelamentos, é preciso que o mesmo seja adquirido na mesma época da compra das passagens.

Comprou a passagem com 9 meses de antecedência porque o preço estava bom? Aproveite a economia para pagar logo o seguro, isso vai garantir que ele já exista quando o problema acontecer (e bata na madeira 3 vezes por dia para que não aconteça nada).

E Assis volta para a lista de destinos a visitar, porque eu sou brasileira e não desisto nunca!

Karina Ferraz

Karina Ferraz

Nasci no Rio de Janeiro, quis ser aeromoça, mas escolhi a arquitetura, paixão que me fez querer ver o mundo. Mundo esse que me levou até a Turquia, que resolvi chamar de casa e onde vivo há 3 anos. A arquitetura entrou de férias, surgiu a agente de viagens, que vive de organizar viagens para os outros e principalmente, para si mesma. Afinal, morar no centro do mundo faz tudo parecer mais perto.
Karina Ferraz

Últimos posts por Karina Ferraz (exibir todos)

Share This:

Quando a natureza determina

Comentários

comentários

Classificado como: