Uma promoção aérea para o fim do mundo – assim começou essa saga. Não! Não era o fim do mundo realmente falando, e sim Ushuaia, a cidade mais austral do globo.

Não, eu não gosto de frio, e visitar esse destino “de gelo” era um desafio para mim.

Mas as paisagens eram encantadoras, convidativas e lá fui eu, fechando a passagem via telefone celular, pedindo para uma amiga que estava em São Paulo efetivar a compra enquanto eu estava chegando em Mangue Seco, viajando com outros amigos.

E não é que deu tudo certo?

Minha viagem à Patagônia argentina foi dividida entre Ushuaia (porque a passagem era para lá) e El Calafate, a capital dos glaciares…

Elaborei meu roteiro com base numa suposta escala de beleza que criei com base nas minhas pesquisas, para que não começasse pela cereja do bolo e perdesse o encanto nas visitas posteriores.

Ushuaia tem várias atrações geladas, mas não tem o encanto azul dos glaciares de El Calafate. Mas a cor já começa a chegar no voo entre as duas cidades com os “rios glaciares” que sobrevoamos. 

Sobrevoando Patagônia Argentina

Estância Cristina

O primeiro passeio que fiz com o azul hipnotizante foi para a Estância Cristina. Nesse passeio, que achava que ia ser bem café com leite, eu me encantei! Começamos num barco, navegando por um trecho do Lago Argentino, margeando o Glaciar Upsala.

Lembro que chovia nessa manhã e de dentro do barco, quando vi o primeiro pedaço de iceberg boiando na água, desandei a tirar fotos, e nenhuma ficava boa porque estava dentro do barco, com a janela molhada pela chuva. E eu encantada com aquele pedacinho “besta” de gelo boiando na água.

De repente a chuva parou e o barco passou simplesmente por esse enorme bloco. Meu queixo quase caiu!

Iceberg Estância Cristina

O azul era impressionante! Parecia um gigantesco bloco de água marinha não lapidada. Os tons me impressionaram, e não pensem que era pequeno não! Segue minha foto na proporção para terem ideia do tamanho…

Iceberg Estância Cristina

Ao desembarcar na Estância almoçamos e fizemos uma “caminhada de reconhecimento”. O rio Caterina que banha a região é lindo! Novamente, o azul incrível nas águas…

Estância Cristina

Depois, a bordo de um 4×4, subimos até o topo da montanha, para ficar de frente com o Glaciar Upsala, o segundo maior da Argentina, com uma superfície aproximada de 900 km²!! As águas do lago tem um azul tão profundo que parecem estar tingidas com anil…

Estância Cristina Glaciar Upsala

Navegação por todos os glaciares

O segundo passeio “azul” que fiz foi a navegação por todos os glaciares. São algumas horas de navegação feita pelo Lago Argentino (sim, aquilo não é mar, e sim água doce, fruto do degelo dos glaciares), onde passamos por 4 glaciares – Upsala, Perito Moreno, Spegazzini e o seco, sendo que os 3 são os principais da região.

Eu me senti num parque de esculturas da natureza e o show de azul dispensa comentários.

Os icebergs são impressionantes e fiquei sabendo ali, na prática, que eles se movimentam, não só conforme a correnteza, mas que giram em torno do próprio eixo, muitas vezes. E ali, enquanto fotografava um, ele se partiu e começou a virar na água, como um “joão bobo”, até se estabilizar de novo. Foi muuuuito legal presenciar isso! 

Iceberg Todos los Glaciares

Glaciar Perito Moreno

Meu último passeio azul em El Calafate foi o trekking pelo Glaciar Perito Moreno. O Perito Moreno é o glaciar mais famoso da região por causa da proximidade  e facilidade de acesso. Além disso, ao contrário dos demais, ele é um glaciar que continua em crescimento.

O azul desse passeio foi mais pálido porque o tempo era completamente nublado e chuvoso, e as nuances de azul dependem da incidência da luz do sol.

Foi muito interessante poder andar nesse glaciar. Ao contrário da ideia que muitos têm, ele não é “macio”, e para a caminhada usamos grampos presos no calçado e temos que “bater o pé” na passada para fixar no gelo e dessa forma, não cair.

É impressionante estar ao lado dessa enorme massa de gelo! Os paredões de gelo são gigantes!

E o destino se estende com outras atrações menos coloridas, mas não com menos beleza, pois quando o azul não está na água  e no gelo, está no céu! Recomendo muito a experiência e espero agora para conhecer o lado chileno, que também é belíssimo!

Pinguim Ushuaia

Daniela Nogueira

Daniela Nogueira

Sou educadora da rede pública, mas é nas viagens que me realizo. Esse bichinho sempre esteve comigo, mas precisou que um ex namorado o alimentasse e foi com ele que aprendi a “conhecer o mundo”. Como todo pé na bunda te empurra pra frente, foi nessa situação que comecei a viajar sozinha, e nunca mais parei! Hoje já pisei nos cinco continentes e fiz roteiros que antigamente eram impensáveis. Os planos para o futuro? Dominar o mundo!
Daniela Nogueira

Últimos posts por Daniela Nogueira (exibir todos)

Share This:

O azul da Patagônia argentina

Comentários

comentários

Classificado como: