“Luciana, você viaja muito!” “Como consegue?” Já ouvi tanto estes comentários e costumo responder, sem dúvida alguma, que cada um tem sua prioridade. Eu escolhi viajar e para isso abro mão de coisas essenciais como ter um carro, por exemplo.

Minha necessidade de viajar vem da excitação e da satisfação de conhecer algo diferente da minha realidade e cultura. Coisas que me causam impacto e despertam o desejo de sempre estar em contato com diferentes paisagens e formas de vida.

Resolvi escrever um post sobre os dez lugares que fizeram com que eu viaje mais e mais… Aí vai!

 

  • México:

Fui para a cidade do México sozinha no ano de 2011. Lembro que a TAM lançou uma promoção de 600 reais, ida e volta, já com taxas inclusas. Eu tinha planos de ir para o México? Não! Preço da passagem sempre foi um fator para eu decidir meu próximo destino. E lá fui eu para a Cidade do México. A cultura mexicana é simplesmente sensacional e dois momentos fizeram deste lugar inesquecível para mim. O primeiro deles foi conhecer as pirâmides de Teotihuacan. Eu estava sozinha no alto das pirâmides do Sol e da Lua contemplando o que um dia já foi o marco da civilização pré colombiana. Uma energia sem igual. Era como se eu fosse parte daquele lugar, ver um modo de civilização tão diferente da minha. Naquele dia era só eu e meus pensamentos.

Também sou grata ao México por ter me apresentado Frida Kahlo! Na minha santa ignorância eu não conhecia a história desta mulher incrível. Visitar a “Casa Azul”, onde Frida e Diego viveram, foi uma das minhas melhores memórias de viagem. Foi ali que ela passou parte da sua vida, onde ela ficou acamada e pintando deitada na cama com um espelho na parte de cima, onde ela chorou e foi feliz pelo se grande amor Diego. Depois do México virei fã incondicional de Frida. <3

Casa Azul onde Frida morou.
Eu na janela do quarto da Frida. A cama aonde ela pintava.
Teotihuacan
Teotihuacan

 

  • Amazonas:

Uma loucura: feriado de Corpus Christi e eu fui até “ali” no Amazonas. Tudo em função de achar uma boa promoção de milhas. Em quatro dias eu pude ver o encontro das águas entre o Rio Negro e Solimões e até me hospedar na casa de um ribeirinho no interior do Estado. Éramos nós, os mosquitos, os jacarés, os macacos, o açaí, os peixes da região e o céu mais estrelado que já vi na vida. Às 19h já era uma escuridão absurda e o barulho de grilos e outros animais era “ensurdecedor”. Conhecer a população local, seu jeito simples de levar e valorizar a vida, a pureza nas relações humanas. Foram as crianças “índias” mais lindas que já vi na vida. Inesquecível.

Vitória-régia
Como proceder diante de tanta fofura???
Meu lar no meio do rio, da imensidão. Inesquecível.
E durante o dia uns rolês de barco.
Encontro das águas: Rio Negro e Rio Solimões. Olhem isso!
  • Jungfraujoch e Matterhorn:

A Suíça! Este País me proporcionou belas paisagens de neve. Subir o topo da Europa, a montanha Jungfrau, foi um dos passeios mais legais e diferentes que já fiz. É o ponto mais alto que se pode subir na Europa através de trem. São 3.500 metros de altitude e uma vista estonteante. O frio é absurdo, era inverno, mas valeu cada dedo congelado na hora de tirar fotos. Outra montanha que me encantou foi a Matterhorn. Quem nunca comeu um toblerone? Pois foi esta montanha que deu forma ao famoso chocolate. Novamente, tivemos outro dia de contemplação dos Alpes e daquele “mar” de neve na nossa frente.

Chocolate toblerone ou Matterhorn
Mais uma do Matterhorn
Juro que sou eu! Topo da Europa e um frio de doer a alma. Dia incrível!
Ainda não tinha subido a montanha e já marcava menos seis graus…
Vista do alto do Jungfraujoch
  • Taormina:

Eu pirei nesta cidade! Meu sonho sempre foi conhecer a Itália e aquelas cidades mais basiconas. Fiz isto da primeira vez que estive no País. Conheci Roma, Veneza, Florença, Verona, Siena, Pisa e Milão. Um ano depois e com a sorte de  encontrar um “adorável” erro no site de uma companhia aérea… ida e volta para a Itália por quinhentos reais!!!! Pense se eu comprei ou não?! Foi aí que decidi fazer um roteiro pelo sul da bota e comecei a viagem pela Sicília na cidade de Taormina. Até hoje me encanto com aquela cidade florida, antiga, cheia de histórias e que ao olharmos para baixo admiramos seu incrível mar azul. Para ir para praia eu pegava teleférico. <3 Novamente estava sozinha e foi uma das melhores oportunidades que tive para organizar minha vida  e estabelecer algumas metas. Depois dali minha vida mudou tanto! Taormina, na minha opinião, é a cidade mais bonita que conheci na Itália.

PS: admito que Roma também mexe, e muito, com meu coração. Cidade fantástica!

Se tiver um amor, vá pra lá! Cidade fofa! Se não tiver, vá mesmo assim!
Vista da cidade.
Olhem para baixo e vejam o mar….
Teatro Grego em Taormina
  • Lençóis Maranhenses:

Arrisco-me a dizer que é o lugar mais bonito do Brasil. Tive a sorte de visitar em época de lagoas cheias e a minha vida era tomar banho naquele oásis. Cada dia uma trilha diferente, lagoas novas e um visual de cair o queixo. Assistir o Sol se pôr era outro espetáculo. Um lugar que voltaria fácil! Um pedaço que nem o Sarney conseguiu estragar.

Sol e areia!
Pôr do Sol digno!
Lagoas cheias que deixam a paisagem ainda mais estonteante.
Lindo demais
Queria a vida para sempre assim.
Dunas.
  • Ilha de Providência – Colômbia:

Aquele mar… Ainda hoje suspiro por ele. Se eu tenho algum arrependimento nessa vida, foi o de reservar apenas três dias para este paraíso. Uma ilha no caribe colombiano com um mar absolutamente lindo. Se San Andres pode ser considerada uma ilha com pouca infraestrutura e simples, Providência é bem rústica. Carece de restaurantes, hospedagens mais preparadas, comércio, entre outros. Mas por isso conserva seu charme e encanto. Ela é rústica e a “única” coisa a se apreciar é aquele mar sem igual. Um dia quero voltar para ficar uma semana e só pensar vida!

Feliz vendo o mar.
Que cor de água é esta?
<3
Providência.

 

  • Machu Picchu:

Assim como Teotihuacan, Machu Picchu foi um lugar que senti uma energia enorme. Quando cheguei ao alto da montanha, são 2.400 metros, só conseguia pensar em como os incas se instalaram ali e construíram uma cidade como aquela. Sem contar a crueldade do império espanhol que destruiu toda aquela história e civilização. Contudo, quando subi a montanha e me deparei com aquele cenário percebi o quão diferente o mundo pode ser e que ele se apresenta de várias formas. Peru foi um dos primeiros lugares que estive quando comecei a viajar e, sendo assim, Machu Picchu tem uma memória afetiva.

Fotinho clássica.
Uma cidade perdida.
No caminho: llamas
Peru
  • Balão na Capadócia:

A Turquia foi a minha última viagem internacional. O fato de estar em companhia de uma amiga que mora no País foi fundamental para que eu visse este lugar com outros olhos. Ficamos cinco dias na Capadócia e até me senti um pouco “enturmada” com aquele estilo de vida tão peculiar. Foi a minha primeira experiência em um País muçulmano. O voo de balão encerrou, com chave de ouro, a minha estada. Uma experiência única sobrevoar aqueles vales e observar a geografia da Capadócia. O céu colorido de balões e as rochas com diversas formações lá embaixo. Naquele dia virei criança. <3

Voamos com a butterfly balloons e foi perfeito.
É muito diferente da minha vidinha em Guarulhos…
Carnaval na Capadócia.
Tem como esquecer?

 

Capadócia e o vale do amor.

 

 

  • Maya Bay:

Se você me perguntar se esta foi a praia mais bonita que conheci na Tailândia, vou te responder que não. Isso não exclui o fato dela ser linda, mas outras são mais bonitas e propícias para um banho de mar. O que Maya Bay tem de tão especial? Pergunta difícil de responder, mas eu me emocionei litros ao ver aquele cartão postal na minha frente. Talvez por ser um lugar tão longe e sempre tido como inatingível pra mim. É o tipo de praia para você sentar e contemplar aquela natureza perfeita. Tem que chegar bem cedinho e ir embora na hora que os barcos lotados de turistas chegam. Eu cheguei às 07h da manhã e por um tempo tive aquele paraíso para mim e poucas pessoas que ali estavam. PARAÍSO!!!!!!!!

Pirei em Maya Bay
<3 <3 <3
Contemplei

 

  • Berlim:

Só fiquei três dias e foi o suficiente para me apaixonar. Gostei tanto que as minhas próximas férias serão lá e com mais tempo. Berlim tem história, arte, passado e futuro. Lugares como o muro de Berlim (East side gallery), memorial do holocausto e checkpoint Charlie me despertaram uma vontade imensa de voltar e mergulhar na história do País. E eu volto! Setembro…

Parlamento alemão

 

O famoso beijo comunista. Museu Checkpoint Charlie.
Checkpoint Charlie: saindo do território capitalista/americano.
Topografia do terror: um lugar dedicado para contar os horrores do holocausto. Também avistamos um pedaço do muro de Berlim.

Esta é uma lista extremamente pessoal e diz respeito às minhas impressões e sentimentos. Outras pessoas podem ler e não se identificar. Mas a mensagem que gostaria de deixar é que viajar e ter contato com lugares diferentes me ajudou a construir um pouco da pessoa que sou hoje. Certeza que a minha veia “corajosa” nasceu da experiência de me jogar no novo, do frio na barriga que um lugar “estranho” me proporciona. Estes lugares me viciaram em colecionar check-in. Sou uma adicta confessa!

Luciana Almeida

Luciana Almeida

Sou uma carioca nômade. Adoro sentir o frio na barriga de conhecer um lugar novo.Assistente social de formação e viajante compulsiva nas horas vagas, meu objetivo é colecionar histórias e boas memórias de lugares, pessoas e culturas. Quero me jogar nos destinos e sonho com uma volta ao mundo. Viajar pode ser sozinha ou acompanhada, e o lugar pode ser qualquer lugar no globo. Afinal, o que importa é viajar cada vez mais.
Luciana Almeida

Share This:

Dez lugares que me fizeram viajar mais

Comentários

comentários

Classificado como: