Copenhague de bicicleta

A rotina por aqui é mais ou menos a mesma, uma lista de destinos a visitar que cresce a cada dia, mas tempo insuficiente para estar em todos. É preciso selecionar com muito carinho o próximo beneficiado da lista, que normalmente é definido em função de uma passagem barata que apareceu por aí. Uma das vantagens de morar na Turquia, com 2 ou 3 horas de voo é possível alcançar uma parte muito legal do mundo.

Semana passada estive pela primeira vez em Copenhague, capital da Dinamarca, motivada por uma passagem barata que encontrei. Pausa para informar que procurar passagem barata é meu passatempo preferido. Tédio no trabalho? O Kayak.com salva o seu dia! Quem resiste a uma passagem de ida e volta por 150 dólares? Eu não consigo. Foi minha primeira vez na Escandinávia, e voltei tão fascinada que o resto da região pulou rapidamente de posição na minha lista.

Copenhague de bicicleta

Pesquisando sobre Copenhague, vi que, além do melhor hotdog do mundo (sério!), a cidade foi eleita, por alguns anos consecutivos, como a melhor cidade para ciclistas do mundo, com uma rede de 350 quilômetros de ciclovias espalhadas pela cidade. Na estação central de trem, chegando do aeroporto, já encontrei um bicicletário gigante, nos primeiros passos pela cidade, pessoas pedalando de salto alto, terno, roupas esportivas, levando crianças, cães. Uma infinidade de ciclistas, e estava chovendo.

Copenhague de bicicleta

Meus anfitriões, um ciclista dedicado, decidiu que eu não poderia sentir a verdadeira Copenhague sem uma bicicleta, cheguei e encontrei uma bicicleta rosa, com um capacete combinando, para chamar de minha. Como não amar?

O dia seguinte, meu primeiro dia completo na cidade, foi dedicado a pedalar, e a área escolhida foi Ørestad, a nova área da cidade, repleta de ícones arquitetônicos. O design escandinavo é famoso, e Copenhague, para amantes de arquitetura, é um deleite.

Copenhague de bicicleta

Copenhague de bicicleta

Copenhague de bicicleta

Copenhague de bicicleta

Foi uma excelente escolha para começar, é uma área tranquila, fácil de explorar e plana, como quase toda a cidade. Quando chegou a hora de pedalar no trânsito, eu já estava acostumada com todas as regras do trânsito, e as sinalizações. É extremamente seguro pedalar por lá, todos os motoristas e pedestres respeitam os espaços definidos para a bicicleta. Pode parecer confuso a princípio, mas basta respeitar a sinalização. 

Outras “atrações ciclísticas” de Copenhagen são as pontes construídas especialmente para bicicletas, eu tive a chance de conhecer duas, a Cycle Snake e a Circle Bridge, são lindas. Ponto para o design dinamarquês.

Copenhague de bicicleta
Fonte: www.visitcopenhagen.com

Copenhague de bicicleta

Estacionar para explorar a cidade também não será um problema, existem bicicletários espalhados em toda a cidade e, se não tiver ou estiver cheio, terá sempre uma árvore ou mobiliário urbano para cumprir o papel.

E, se você cansar durante o caminho, ou o tempo mudar, ou apenas desistir, você pode usar o transporte público para levar a bicicleta de volta. No S-train, o seu bilhete dá direito a uma bicicleta, no metrô existe uma taxa extra, basta incluir quando comprar o bilhete na estação, ou nas máquinas automáticas.

Karina Ferraz

Karina Ferraz

Nasci no Rio de Janeiro, quis ser aeromoça, mas escolhi a arquitetura, paixão que me fez querer ver o mundo. Mundo esse que me levou até a Turquia, que resolvi chamar de casa e onde vivo há 3 anos. A arquitetura entrou de férias, surgiu a agente de viagens, que vive de organizar viagens para os outros e principalmente, para si mesma. Afinal, morar no centro do mundo faz tudo parecer mais perto.
Karina Ferraz

Últimos posts por Karina Ferraz (exibir todos)

Share This:

Copenhague em duas rodas

Comentários

comentários

Classificado como: